segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

ARTIGO: Plano de ação: do Plano para a ação

PLANO DE AÇÃO: DO PLANO PARA A AÇÃO

Alevilson da Silva Tavares Santos


Um presente de Deus ao homem, revelado a Rute Doris Lemos, e prontamente executado pelo mesmo originando em milhões de frutos, que não somente freqüentam a EBD, mas buscam como fazê-la e fazê-la acontecer na vida de muitos que a tem como um órgão separado da igreja e que só é freqüentado pelos os que estão mais próximo do pastor, líder de mocidade ou por quem dispõe ou p dispor de um cargo na igreja.

Sou evangélico desde minha infância e convivi com inúmeras situações contrastantes que desencadearam um afastamento real dos alunos da EBD. De acordo com a literatura evangélica se percebe nitidamente que no Brasil há um crescimento na Escola Bíblica Dominical - EBD, proporcional aos olhares voltados a ela -instituição de ensino cristão.Falar de olhar voltado a EBD, como costumo abreviar, é destacar os esforços advindos de diferentes elementos constituintes na membrazia e corpo eclesiástico dessa tão nobre escola. Esforços que embora solitário, muitas vezes produz em curto, médio ou longo prazo frutos dignos de alegrar a alma daqueles que investem na obra do mestre.

Um percentual considerável do povo evangélico estar sedento de ser garimpado para ser moldado frente as necessidades existenciais, reais por assim dizer. E, alguém precisa se preocupar com esse cenário que assustadoramente se convive em nosso meio, e nós o corpo eclesiástico de nossa instituição a Centenária e honrada Assembleia de Deus quem devemos dar a partida ou contrapartida no caso de alguns.

O mais intrigante é que tais situações muitas vezes partem da nossa liderança.“Louvo a Deus por poder contar com líderes que são dirigidos por Deus e sempre me conduziram a patamares doutrinários que jamais alcançaria se não os tivesse como meus pais na fé”. Contudo algumas de sua práticas (pedagógicas e até administrativas) não as vejo, ao longo de 20 anos de fé, pautadas na Bíblia e na literatura subjacente.E essa realidade me intriga desde que comecei em meados de 2005 a atuar a frente da EBD ou ED com se queira mencionar. Agradeço a Deus por isso! Vi que poderia ser feito mais, muito mais, se não fosse o processo de formação pedagógica inexistente.

Muito se tem que “Avançar até Jesus Voltar”, como bem mencionou Edson Coelho, no Hino do Centenário das Assembleia de Deus no Brasil.

Não defendo aqui que nossa liderança precise fazer cursos de formação continuada voltados a educação pedagógica ou colecionar tantos sufixos “gias” existentes, no seu currículo para atuar como ministro de Deus. Deus me guarde de tal pretensão!

E todo o planejamento existente dentro de nossa esfera nacional precisa ser mediado de forma que inquiete aos líderes envolvidos no processo de Educação Cristã, sempre buscando registro imagético ou por outros registros escritos, sinto que já foi dado o pontapé inicial, pois é notável o acervo bibliográfico, didático e para-didático que a Casa Publicadora das Assembléias de Deus, a Editora Central Gospel, Editora Vida nos tem disponibilizado.

Em minhas andanças pelo Brasil, via literatura, percebo que é real um despreparo pedagógico para saber-se lidar com tal realidade. O povo quer aprender. Mas aprender do seu jeito. De um jeito com estratégia metodológica que priorize a linguagem do outro.

Contudo é perceptível na reação do público evangélico que reflete a falta de ação contínua para que esse plano chegue a ser real nas mais longínquas ADs desse nosso Brasil a fora.

Esses alunos, ou possíveis alunos, ou até ex- alunos, em alguns casos, precisam de um olhar que vá além do plano, que busque a ação; o foco didático, doutrinário teológico não deve, e isso é óbvio, ser desnorteado; mas faz-se necessária ação, AÇÃO EM NOSSAS AULAS. O levantar o sentar. O ir e vir. Falar e silenciar, como estratégia metodológica constitui ação. Esse aluno que for contemplado com um plano de ação que vislumbre ação mais que o plano- não-executado, será assíduo e promissor na EBD e logo toda a igreja perceberá esse comportamento.

É bom destacar que crente que dá trabalho, problemático, é crente que não frenquenta a EBD. Então mestres na arte de doutrinar o que se espera?,“Congregrai-vos e vinde; chegai-vos todos juntos, (...) Que tomem conselhos uns com os outros”. Declarou o profeta Isaías (45: 20-1 ARA).

Há uma importância substancial em todas as nossas reuniões. É Fato. Disse Jesus:“Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles” Mt 18:20 (ARA).Aproveitar essa presença de nosso Senhor Jesus Cristo em nosso meio em todas as nossas reuniões buscando criar e oportunidade de aprendizagens gerará não só alunos mas filhos na fé, deixando uma conotação que temos que investir em mecanismos pedagógicos que possibilitem a promoção de uma aula prazerosa. Fazendo assim estamos validando a orientação de Paulo quando ao referir-se aos cuidados com os dons ministeriais concluindo “Se éensinar que haja dedicação no ensino"(Rm 12.6,7).

É comum vermos mega eventos direcionados a públicos jovens com a afirmação de adoração ao Senhor. Não me é vantajoso comentar sobre esses mega planos, onde nos encerramentos muitas vezes, o resultado não é que o parece, ou deveria parecer. É perceptível uma preocupação em mega investimentos para possibilitar momentos de descontração, diversão e até lazer, como muitos jovens denominam, tendo como prerrogativa a adoração ao Senhor, deslocando-se dezenas e as vezes centenas de quilômetros para ver seus “astros” preferido, mas não se sentem motivados de frequentarem a EBD.

O que se tem em comum? Nos eventos entrelinhas temos ação. Muito planejamento antes, é claro. Mas, muita ação. Já nas nossas EBDs, quando temos planejamentos falta-nos recursos pedagógicos, didáticos, Paradidático, material (humano) e outros pertinentes, disponíveis para o sucesso de nossa tão importante Escola.

.Podemos assim concluir Planejamento sem ação é vestido sem noiva, não tem comemoração. E ai vai deixar os preparativos na mesa da sala e cozinha os familiares- a Família EBD- esperando? E você com o poder de liderança da sua casa, sua sala, seu departamento, sua igreja, seu setor, seu estado em mãos e sua família ficando cada vez mais desmotivada?

A primeira ação precisa ser da superintendência! “Não vos conformeis com este século, mas TRANSFORMAI-VOS pela renovação de vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” (Rm 12.2) educou-nos o professor Paulo quando voltou-se para cravar esses lembretes aos irmãos que estavam em Roma. A verdade é que temos que agir. E é nossa missão, líderes de todo o Brasil, mudarmos a visão de muitos irmãos sobre essa instituição de ensino.


__________________________________________________________________

Alevilson da Silva Tavares é Pedagogo, Biólogo, Especialista em Educação Ambiental e Diácono, e 2ºsuperintendente da EBD desde de 2009, na Assembleia de Deus - em Cajueiro-Touros/RN.