terça-feira, 1 de novembro de 2016

QUEM DISSE QUE EU NÃO ACREDITO NA POLÍTICA?

Alevilson da Silva Tavares



Ainda acredito na política
A política descente
A política fora das legendas partidárias
Aquela da gente como agente

A política da boa vizinhança
Do cara respeitador
Do menino que passa
E ajuda o vovô

A política da economia
Onde a gastança não tem vez
do jeito de fazer direito
Para um, dois e mais de três

A política da verdade
Doa onde doer
Que ensine o caminho correto
Pra todo cego percorrer

A política da inclusão
Que une ao invés de espalhar
Que entende a família
Para poder lhe beneficiar

A política da inocência
Onde com o pouco se vive
Onde tudo que é meu é teu
Onde se tem um povo que se realize

A política do respeito
Entre as classes sociais
Onde o branco e o negro conversam
sem se ofenderem jamais

A política do silêncio
Para se continuar com a razão
Que mesmo em momentos gelados
Continuem o calorão

A política do enredo
Não que uma escola de samba canta
Mas de um enredo de vida
Que a muita gente encanta

A política da fé
Polida, recalcada e sacudida
Com garantia de vida eterna
Mas não uma confundida

A política do amor
Que tudo suporta, sofrer e crer
Que não é egoísta e meticuloso
Mas se doa o bastante pra se viver


A política do vovô
Aquela bem interiorana
Com cara de começo
Onde se vivia em choupana

A política da gratidão
Onde o outro é lembrado
Pela boa ação que fez
E é até homenageado

A política da coragem
Com cara de brasileiro
Alegre em meio ao sofrimento
Mesmo no pesado o dia inteiro

A política da liberdade
Uma liberdade pura
Como a pureza do céu
Que a alma traz cura

Quando a política de Brasília
Se adequar a minha crença
Deixarei fazer parte da família
Disso terei consciência.