segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

A CHAMADA DO CRENTE FIEL- Manuel Baracho da Silva (in memorian)


A CAMINDA DO CRENTE FIEL

Manuel Baracho da Silva*

 ( in memorian )
 


 Quanto mais perto de Jesus mais lutas este mundo promove contra nós. As feridas resultam de nosso caminhar junto dele, de nosso rosto encostar no seu e nos ferimos ao contato da coroa de espinhos. Seus espinhos tipificam o sofrimento pela causa de Jesus, só sentimos quando aproximamos a nossa face da sua. Nossos sofrimentos ele experimentou primeiro, vale repetir que Deus não tem prazer em nosso sofrimento.


Manoel Baracho da Silva (in memerian)
Nossos desprazeres e aflições tem propósitos nobres que vão além do momento, por meio deles é que Deus nós trará grandes bênçãos. Ele sofre conosco, assim como sofreu com seu Filho Jesus, mas sabe que ao fim brotará em nós grande alegria. O resultado é uma fé amadurecida no fogo, um caráter solidificado nos espinhos e um espírito renovado que nos permitirá resplandecer como a luz da Glória de Cristo.

Não atendessem os sofrimentos da vida, os “propósitos elevados”, Deus certamente não os permitiriam em nossa vida, e, nem sofrer seu Filho de quem se testificar, ter suportado grande peso de aflições por nossas causas, o Amor Ágape, Amor Divino, por esta razão o mundo não compreende, para compreender é preciso experimentá-lo, para praticá-lo é necessário recebê-lo.

João explica: nisto consiste o amor, não em que tenhamos amado a Deus mas em que Ele nos amou e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados (I João 4-10).

Aqui esta a diferença fundamental entre as religiões e correntes filosóficas de configurações mister-religioso e o cristianismo, enquanto elas denotam o esforço humano para se chegar a Deus pela sistematização de doutrinas e de ideologizemos engendrados pelas lucubrações da mente humana. cristianismo é o esforço de Deus para se chegar ao homem através de seu Filho numa profunda demonstração de amor que aqui é praticado pelo homem e ele salta para vida eterna.

Vale a pena saber que as nossas lágrimas são levadas e bem guardadas no odre de Deus. Como diz o salmista: Tu contas as minhas vagueações; põe as minhas lágrimas no teu odre. Não estão elas no teu livro? (Sl 56.8). Deus responde a oração do crente quando é feita com lágrimas “Volta, e dize a Ezequias, capitão do meu povo: Assim diz o SENHOR, o Deus de Davi, teu pai: Ouvi a tua oração, e vi as tuas lágrimas; eis que eu te sararei; ao terceiro dia subirás à casa do SENHOR” (IIRs 20.5); e, estando por detrás, aos seus pés, chorando, começou a regar-lhe os pés com lágrimas, e enxugava-lhos com os cabelos da sua cabeça; e beijava-lhe os pés, e ungia-lhos com o unguento. (Lc.7.38).
 

          * Auxiliar de Trabalho, pioneiro da Assembleia de Deus no município de Touros/RN. Cursou o ensino primário e serviço a Marinha Brasileira chegando a ser escombatente em função da Segunda Guerra Mundial. Também era considerado historiador por seus admiradores e jovens que viam nele uma fonte de pesquisa histórica sobre tema correlacionados com a história da Assembleia de Deus no Município bem como dos primeiros passos da comunidade de Cajueiro -Touros/RN.